Mitos sobre a Fotografia com BRUNO CORREA

Mitos sobre a Fotografia com BRUNO CORREA

 

Captura de Tela 2015-12-01 às 11.31.18

Hoje vou falar um pouco de 3 mitos que escuto na fotografia e compartilho minha opinião e experiência, colocando aqui não verdades, mas o que acredito.

1º Mito

“-Bruno, Canon é melhor que Nikon.”

“-Bruno, por que você usa Nikon?”

“-Bruno, qual marca é melhor, Canon ou Nikon.”

Essas dúvidas são comuns e eu mesmo já me perguntei no inicio da fotografia. Já trabalhei com NIKON e CANON também. Sabe qual conclusão tirei? As duas marcas são excelentes, as duas marcas são caras porém a diferença principal para mim foi a ergonomia. Os diferencias finais de qualidade muitas vezes são imperceptíveis.

Dica! Pegue emprestado com amigos e veja qual melhor você adapta.

 

2º Mito

“-Bruno, quando eu fotografo pessoas, eu sempre perco as primeiras fotos por que a pessoa que estou fotografando fica tensa.”

Eu diria que quem está nervoso é você. A pessoa fotografada na maioria das vezes está muito empolgada com a sessão e esperando a SUA direção, uma sessão agradável com música e um bom café.

Fotografar pessoas é um encontro, e nós como fotógrafos precisamos conduzir essa direção com segurança e não insegurança.

Do inicio ao fim, você terá fotos boas. Se prepare, estude e pratique!

 

3º Mito

“-Bruno, os fotógrafos que cobram barato atrapalham o mercado”

Muitas vezes as pessoas que estão no inicio da fotografia, não sabem quanto cobrar e praticam um valor baixo para cobrir os próprios custos.

Eles NÃO atrapalham, NÃO “prostituem” o mercado, o máximo é essa pessoa perceber que ele estará tomando prejuízo e que está prejudicando a si mesmo.

Pergunte-se sempre, qual público você quer atingir?

Se você quer atingir um público que paga mais, não é o fotografo que cobra barato que irá prejudicar o mercado, se você ainda acha que sim, analise o seu plano de negócios, se atualize e foque no seu público alvo.

Afinal, pessoas de renda baixa também merecem ser fotografadas! (:

 

Espero ter contribuído de alguma forma ou pelo menos colocado uma nova forma de ver e entender o mundo fotográfico.